Baixa oferta de leite e custos em alta elevam as cotações ao produtor

18-06-2021 16:14:33 Por: Natália Grigol em Boletim do Leite Cepea. Foto: Renata Silva / Embrapa.

Baixa oferta de leite e custos em alta elevam as cotações ao produtor
A oferta de leite segue limitada no campo, devido à seca em importantes bacias leiteiras e ao aumento expressivo dos custos de produção. Como consequência do menor volume disponível, indústrias seguiram competindo pela compra de matéria-prima em maio – o que deve elevar, pelo terceiro mês consecutivo, o valor no campo a ser recebido pelo produtor em junho. E pesquisas em andamento realizadas pelo Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, indicam que a elevação no preço do leite pago em junho pode ser de pouco mais de 5% sobre a de maio, que foi de R$ 2,0364/litro (“Média Brasil”).

A média de janeiro a maio de 2021 está 33,4% acima da registrada no mesmo período do ano passado, em termos reais (dados deflacionados pelo IPCA de maio/21). No entanto, a valorização do leite no campo não significa rentabilidade para o produtor, tampouco demanda aquecida dos lácteos: o cenário que se desenha é de bastante dificuldade para o setor, com margens espremidas tanto no segmento produtivo quanto industrial.


Sazonalmente, durante o outono e inverno, o menor volume de chuvas prejudica a qualidade das pastagens. Entretanto, neste ano, a seca tem sido mais intensa, atingindo com gravidade importantes bacias leiteiras do Centro-Oeste, Sudeste e Sul do País e prejudicando a alimentação volumosa do rebanho. Sobretudo neste período do ano, a alimentação concentrada é importante para evitar quedas substanciais nos volumes de produção de leite. Contudo, a expressiva elevação dos preços do concentrado tem dificultado os investimentos na atividade. Pesquisas do Cepea mostram perda substancial na margem do produtor nos últimos meses, em decorrência do aumento dos custos de produção.

As indústrias, por sua vez, estiveram competindo ainda mais pela compra de matéria-prima, para tentar manter suas posições no mercado lácteo. Em maio, as negociações de leite spot estiveram aquecidas, e o preço médio em Minas Gerais saltou de R$ 2,19/litro, na primeira quinzena do mês, para R$ 2,56/litro na segunda quinzena (alta de 16,5%). Vale lembrar que, na segunda metade de abril, o preço médio era de R$ 2,04/litro.


Com a valorização da matéria-prima e com os estoques de lácteos enxutos, os preços dos derivados também se elevaram em maio. No entanto, as negociações seguiram limitadas, já que as cotações dos lácteos já estão em patamares altos e a demanda, fragilizada, por conta do menor poder de compra de grande parcela da população brasileira.

De abril de 2020 para abril de 2021, houve aumento de 38% no peso que o valor da matéria-prima representou no preço final do longa vida, de 22% no caso da muçarela e de 12% para o leite em pó. Isso significa que a indústria, apesar de impor aumentos importantes nos valores finais dos lácteos, não têm conseguido fazer o repasse completo dos custos elevados no campo, de modo que suas margens também estão sendo pressionadas.

As informações são da Natália Grigol em Boletim do Leite Cepea. Foto: Renata Silva / Embrapa.