Projeções para o mercado de lácteos até 2030

14-07-2021 13:21:24 Por: OECD-FAO Agricultural Outlook 2021-2030, publicadas no MilkPoint

Projeções para o mercado de lácteos até 2030
O setor de lácteos se mostrou notavelmente resistente durante a pandemia da Covid-19. A natureza perecível do leite líquido fresco e produtos lácteos frescos os tornava particularmente vulneráveis a interrupções na cadeia de abastecimento; no entanto, o setor de laticínios não foi afetado de forma tão significativa quanto outros setores de uma perspectiva global, de acordo com o relatório OECD-FAO Agricultural Outlook 2021-2030.

Os efeitos da pandemia variaram regionalmente, com efeitos negativos que vão desde a escassez de contêineres de transporte até o descarte de produtos excedentes. Ao mesmo tempo, outros países se ajustaram com rapidez e sucesso às questões de produção e trabalho e sofreram interrupções mínimas em seu ambiente comercial normal.

Muitos países adotaram medidas de confinamento que afetaram o consumo fora de casa, que geralmente inclui uma grande parte dos laticínios; o consumo doméstico (vendas no varejo) compensou algumas dessas perdas. No geral, a produção rápida e os ajustes de embalagem não resultaram em grandes faltas ou excedentes em todo o mundo.

A pandemia teve o maior efeito sobre os preços da manteiga em comparação com outros preços dos laticínios, devido à perda de demanda por gordura do leite no setor de hospitalidade. O preço mundial da manteiga deve permanecer nos níveis pós-pandêmicos, mas será consideravelmente mais alto do que o preço do leite em pó desnatado, como tem sido desde 2015 devido à maior demanda por gordura do leite em comparação com outros sólidos do leite, e o preço de intervenção da União Europeia (UE) para o leite em pó desnatado (desde as primeiras compras em 2015 até à eliminação final em 2019).

Embora a diferença entre o preço da manteiga e o leite em pó desnatado permaneça como uma característica definidora na próxima década, espera-se que diminua durante o período de projeção. A demanda por leite em pó desnatado, principalmente nos países em desenvolvimento, superará a demanda por gordura do leite no mercado internacional, reduzindo a diferença de preço entre as duas commodities.

A produção mundial de leite (cerca de 81% de leite de vaca, 15% de leite de búfala e 4% de leite de cabra, ovelha e camelo combinados) deve crescer 1,7% por ano durante o período de projeção (para 1,020 bilhão de toneladas até 2030, mais rápido do que a maioria das outras principais commodities agrícolas).


O crescimento projetado no número de animais produtores de leite (1,1% por ano) é superior ao crescimento médio projetado do rendimento (0,7%), pois os rebanhos devem crescer mais rapidamente em países com rendimentos mais baixos, e com rebanhos compostos de animais de menor rendimento (ou seja, cabras e ovelhas).

Espera-se que a Índia e o Paquistão, importantes produtores de leite, contribuam com mais da metade do crescimento da produção mundial de leite nos próximos dez anos, e sejam responsáveis por mais de 30% da produção mundial em 2030. A produção na segunda maior produtora mundial produtor de leite, a União Europeia, deverá crescer mais lentamente do que a média mundial devido a políticas de produção sustentável e crescimento mais lento da demanda doméstica.

A maior parte da produção de leite é consumida na forma de produtos lácteos frescos, que não são processados ou são apenas levemente processados (isto é, pasteurizados ou fermentados). Espera-se que a participação de produtos lácteos frescos no consumo mundial aumente na próxima década devido ao forte crescimento da demanda na Índia, Paquistão e África, impulsionado por aumentos na renda e na população.

Nos países desenvolvidos, o consumo per capita deve crescer modestamente de 23,6 kg em 2018-20 para 25,2 kg (sólidos do leite) em 2030, em comparação com um aumento de 10,7 kg para 12,6 kg nos países em desenvolvimento.

As preferências de consumo dos países desenvolvidos tendem a produtos processados, enquanto nos países em desenvolvimento os produtos lácteos frescos representam mais de 75% do consumo médio per capita de laticínios em sólidos de leite. As disparidades regionais são significativas nas nações em desenvolvimento, onde a parcela de produtos lácteos frescos do consumo per capita pode variar de 99% na Etiópia a 5,8% nas Filipinas.


O consumo de produtos lácteos processados varia substancialmente por região. O segundo produto lácteo mais importante consumido em termos de sólidos do leite (depois dos produtos lácteos frescos) é o queijo. O consumo de queijo ocorre principalmente na Europa e na América do Norte, e está crescendo em ambas as regiões.

Na Ásia, a manteiga é o produto lácteo processado mais consumido, respondendo por quase metade de todo o consumo de lácteos processados em termos de sólidos de leite. A manteiga também tem a projeção de crescimento de consumo mais forte, embora partindo de uma base baixa em relação à Europa e América do Norte.

Na África, o queijo e o leite em pó integral são responsáveis pela maior parte do consumo de laticínios processados em sólidos de leite. Nos próximos dez anos, no entanto, espera-se que o leite em pó desnatado tenha o maior crescimento, embora novamente a partir de uma base de consumo mais baixa.

O leite é comercializado internacionalmente principalmente na forma de produtos lácteos processados. Espera-se que a China continue sendo o importador mais importante de produtos lácteos, apesar de um pequeno aumento na produção doméstica de leite em relação à última década.

Japão, Sudeste Asiático, Rússia, México, Oriente Médio e Norte da África continuarão sendo outros importadores líquidos importantes de produtos lácteos.

Em comparação com o resto do mundo, o consumo per capita de produtos lácteos é baixo na Ásia, especialmente no Sudeste Asiático. No entanto, espera-se que o crescimento econômico e populacional e uma mudança para alimentos de maior valor e produtos pecuários continuem impulsionando o aumento projetado na demanda de importação de produtos lácteos em muitos países asiáticos.


Os acordos de comércio internacional (por exemplo, CPTPP, CETA e o acordo de comércio preferencial entre o Japão e a União Europeia) têm disposições específicas para produtos lácteos (por exemplo, cotas tarifárias) que criam oportunidades para um maior crescimento do comércio.

Os fluxos de comércio de laticínios podem ser substancialmente alterados por mudanças no ambiente da política comercial. Por exemplo, grandes quantidades de queijo e outros produtos lácteos são comercializados entre a União Europeia e o Reino Unido.

O comércio entre as duas regiões pode ser afetado pelo novo relacionamento, com atrasos no transporte e mudanças nas regulamentações que já aumentam os atritos comerciais. Espera-se que o Acordo Estados Unidos-México-Canadá (USMCA) influencie os fluxos de comércio de laticínios na América do Norte, com os Estados Unidos ganhando maior acesso aos mercados de laticínios canadense e mexicano.

Embora atualmente representem uma parcela relativamente pequena do comércio, alguns países da América do Sul, como Argentina e Chile, podem ter o potencial de se tornarem concorrentes no mercado global de laticínios de leite em pó integral e desnatado, respectivamente.

Até o momento, os grandes países consumidores de leite, Índia e Paquistão, são amplamente autossuficientes e não se integraram ao mercado internacional. Um maior engajamento comercial desses dois países poderia ter um efeito significativo nos mercados mundiais. Políticas de produção sustentável ou preocupações manifestas dos consumidores alterariam as projeções para o setor de laticínios.


Espera-se que o interesse do consumidor em dietas veganas e as preocupações com os efeitos ambientais da produção de laticínios continuem a impulsionar o consumo de substitutos vegetais para laticínios no mercado de líquidos.

As ofertas à base de plantas continuam se diversificando ano após ano, indo além dos substitutos tradicionais de bebidas à base de soja, amêndoa e coco. Novas ofertas estão se tornando populares entre os consumidores e incluem aveia, arroz e bebidas à base de cânhamo.

Uma variedade de bebidas com nozes (caju, avelã, macadâmia) também se tornou popular, embora não tenham se mostrado mais sustentáveis do ponto de vista ambiental, especificamente no que diz respeito ao uso de água. Espera-se um forte crescimento no Leste Asiático, Europa e América do Norte, embora com baixos volumes. É provável que as ofertas continuem a se expandir à medida que os consumidores dessas regiões procuram por alternativas veganas, sem lactose ou sustentáveis aos laticínios.

As informações são da OECD-FAO Agricultural Outlook 2021-2030, publicadas no MilkPoint.