Captação de leite em queda no MT

05-10-2021 14:31:16 Por: IMEA

Captação de leite em queda no MT
Em set.21, o IBGE divulgou os dados referentes à captação de leite no 2.º tri.2021. Segundo dados do Instituto, o volume captado em Mato Grosso foi de 107,17 milhões de litros, o que significa um recuo de 15,96% em relação ao 1.º tri.2021.

O recuo na captação é sazonalmente comum nesta época do ano, visto que no mês de março se inicia o período de entressafra da cadeia leiteira (com final em setembro). Porém, notou-se que o volume captado no 2.º tri.21 é 8,87% menor que o captado no mesmo período do ano passado. Diante disso, foi visto que, além dos fatores climáticos, a queda na captação apresentou outros fatores balizadores, como a saída de produtores da atividade e a baixa demanda por lácteos. Para o 3.º tri.21, a captação de leite no estado deve apresentar nova queda, de modo que os fatores citados ainda são visíveis no atual cenário.

Nova queda - com baixa oferta de leite no estado, o índice de captação de leite do Imea registrou decréscimo de 9,27% em ago.21, e apresentou o menor valor da série histórica.

Em alta - o queijo muçarela segue em valorização no estado, em ago.21, apresentou aumento de 3,33% ante a jul.21, com valor médio de R$ 28,79/kg.

Efeito - com oferta restrita de leite, as exportações brasileiras de produtos lácteos seguem em queda, com decréscimo mensal de 2,91% em ago.21.

Em set.21, o IBGE divulgou os dados referentes a pecuária de leite em 2020, logo, foi visto que MT produziu o total de 618,00 milhões de litros. A produção total de leite em 2020 apresentou um decréscimo de 4,10%, em relação ao ano anterior. Na ótica regional, apenas as regiões sudeste e médionorte apresentaram aumento no volume de leite produzido, com acréscimos de 3,26% e 1,28%, respectivamente. Já o norte de MT, se destacou como maior produtor (135,13 mil litros), apesar do recuo de 2,02% em comparação ao ano anterior.


Entre as demais macrorregiões, vale destacar a significativa baixa de produção da região oeste (-12,25%), visto que foi a maior produtora de leite do ano de 2019. A queda de produção observada na região oeste está pautada por uma maior evasão de produtores da atividade, o que é reflexo do aumento do custo de produção. O cenário de desestímulo à produção de leite também abrangeu outras regiões do estado em 2020, além do baixo volume de chuvas do último trimestre daquele ano.