Preço do leite pago ao produtor em MT recuou 0,51%

04-11-2021 10:53:08 Por: IMEA. Foto: Nacho Doce/Reuters

Preço do leite pago ao produtor em MT recuou 0,51%
Em out.21, o Imea contabilizou o custo de produção da pecuária de leite em Mato Grosso, referente ao 3º tri.21 e, no que tange ao Custo Operacional Efetivo (COE), foi observado um acréscimo de 5,46% ante o trimestre anterior. Segundo o levantamento, a média do COE da produção de leite no estado foi de R$ 0,90/litro para o 3º tri.21, contra R$ 0,85/litro do 2º tri.21, o que resultou em uma diferença de +R$ 0,05/litro entre os períodos.

Com a menor oferta de pastagem, o aumento na demanda por concentrados impulsionou os preços dos insumos, refletindo em alta nas despesas com suplementação (+11,72%). Já para o 4º tri.21, o custo com alimentação segue como ponto de atenção para o produtor, pois, apesar do início do período de chuvas, no qual indica uma redução na demanda por concentrados, os preços praticados no campo tendem a recuar, o que pode manter as margens da atividade espremidas.

Novo recuo: com o início do período de chuvas no estado, o preço do leite pago ao produtor em out.21 recuou 0,51% ante o mês anterior, com valor médio de R$ 2,09/litro

Em alta: apesar do avanço das chuvas, a produtividade nas propriedades segue baixa, com isso o índice de captação do Imea apresentou decréscimo de 3,17% em set.21.

Nova alta: com oferta restrita de leite, as importações brasileiras de produtos lácteos seguem em alta, com acréscimo de 2,71% em set.21.

Em 2020, o rebanho de vacas ordenhadas em Mato Grosso reduziu 8,65% ante o ano anterior. Segundo dados da Pesquisa da Pecuária Municipal (IBGE), em 2020, foram ordenhadas 394,95 mil vacas no estado, o que significa uma redução de 60,97 mil cabeças em comparação ao rebanho ordenhado no ano anterior. Em Mato Grosso, o rebanho de vacas ordenhadas está em queda desde 2016, sendo o valor registrado no ano passado o menor dos últimos 10 anos no estado.

A queda no rebanho de vacas ordenhadas é reflexo do aumento do custo de produção de leite no estado, o que resultou na evasão de produtores da atividade. Além da alta no custo com alimentação, a valorização da arroba bovina impulsionou o custo para aquisição de novos animais, o que também impactou no rebanho leiteiro. Por fim, os fatores que influenciaram na cadeia do leite no ano passado ainda são visíveis em 2021, no qual pode indicar nova queda no rebanho de vacas ordenhadas no estado.

As informações são do Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária.