Com dólar elevado e demanda enfraquecida, importações de derivados lácteos caem em 2021

21-12-2021 13:59:58 Por: Munira Nasrrallah e Juliana Santos, Boletim do Leite Cepea

Com dólar elevado e demanda enfraquecida, importações de derivados lácteos caem em 2021
De janeiro a novembro deste ano, o volume de derivados lácteos importado pelo Brasil somou 126,4 mil toneladas, queda de 17% frente ao do mesmo período de 2020, de acordo com dados da Secex. As menores aquisições de leite em pó influenciaram esse resultado, tendo em vista que as compras externas deste derivado caíram quase 30% neste ano frente ao anterior, totalizando 70 mil toneladas (o que representa 55% do total importado pelo País em 2021).

O recuo nas importações, por sua vez, esteve atrelado ao dólar elevado e à demanda brasileira enfraquecida. Neste caso, o poder de compra da maior parte da população esteve fragilizado praticamente ao longo do ano todo.

Já as exportações nacionais cresceram 18% em relação ao mesmo período de 2020, somando 35,2 mil toneladas de janeiro a novembro de 2021. Os derivados que contribuíram para o aumento dos embarques foram o leite em pó, com volume 5 vezes superior ao de 2020, o soro de leite, com o dobro de negociações, e o leite fluido (com volume 95% maior que o do mesmo período de 2020). Juntos, estes derivados representaram 36% do total exportado pelo Brasil.

Em novembro, especificamente, o volume importado de lácteos caiu 7% em relação ao de outubro e 50,5% frente ao mesmo período de 2020, totalizando 11,4 mil toneladas. Já as exportações subiram 4,8% na comparação mensal, mas recuaram quase 21% na anual, totalizando 2,3 mil toneladas.

Agora em dezembro, os preços externos dos lácteos seguem elevados. No dia 7 de dezembro, a cotação no leilão GDT (Global Dairy Trade) subiu 1,4% em relação ao valor de novembro. Diante disso e da fraca demanda interna, os volumes importados devem seguir limitados no mês.

Balança comercial – De outubro para novembro, houve redução de 4,5% no déficit na balança comercial de lácteos, indo para US$ 35,8 milhões, o que se deve à retração do volume importado. Em volume, a diminuição foi de 9,5% na mesma comparação, com déficit de 9 mil toneladas.

As informações são de Munira Nasrrallah e Juliana Santos, Boletim do Leite Cepea.